X

Últimas Notícias

Ozônio para piscina ou Ionizador: qual a melhor alternativa?

Qualquer um que tenha uma piscina em sua casa ou que seja responsável pelo tratamento de uma deseja encontrar um método simples e eficaz de deixar a água totalmente livre de impurezas. No entanto, muitas vezes, isso leva algumas pessoas a confiarem em tratamentos que não apresentam resultados tão bons como prometem.

Por isso, hoje nós vamos comparar o Ozônio para piscina e os Ionizadores, dois métodos que se apresentam como opções efetivas para deixar a água limpa e saudável. Acompanhe e tire as suas conclusões sobre as duas alternativas!

 

Quais são as impurezas presentes nas piscinas?

O primeiro ponto a ser analisado para saber se um tratamento é realmente eficiente é saber quais são os agentes que ele tem que combater. Nesse sentido, além de diversos micro-organismos que surgem “naturalmente”, tais como fungos, bactérias, vírus e algas unicelulares, também existem materiais que são levados até a água pelos banhistas.

Nesta categoria se encaixam os resíduos de cremes capilares e corporais, bronzeadores, protetores solares, da urina e do suor, entre outros. Ou seja, são diversos agentes potencialmente causadores de problemas que devem ser combatidos, especialmente quando reagem com o cloro, que deve sempre ser aplicado.

 

Por que o uso do cloro é indispensável?

Alguns métodos são vendidos com a promessa de que substituirão o uso do cloro. Contudo, como é possível acompanhar neste artigo que mostra os perigos das piscinas sem cloro, este elemento é indispensável ao tratamento da água, já que ele combate diversos agentes patogênicos.
Por outro lado, como já explicamos em alguns textos do nosso blog, o cloro reage com alguns dos materiais orgânicos mencionados acima e gera as cloraminas, que podem causas problemas aos banhistas, como irritações, reações alérgicas, ressecamento da pele e etc. Desse modo, é essencial fazer uso de um método que elimine essas substâncias.

 

O Ozônio e o Ionizador realmente deixam a água limpa?

Em uma comparação direta entre o Ozônio para piscina e os Ionizadores, é possível perceber que existe uma grande diferença na eficiência dos dois no combate às impurezas, especialmente em relação às cloraminas.

 

Ionizador

O Ionizador age por meio da liberação de íons de cobre e prata que, de acordo com alguns fabricantes, combatem todos os agentes nocivos. De fato, eles conseguem eliminar algas e partes de outras impurezas, deixando a água com uma boa aparência.
Porém, esses íons não têm poder oxidante. Ou seja, além de não combaterem alguns dos materiais orgânicos citados anteriormente, eles também não agem contra as cloraminas, oriundas da reação do cloro com alguns desses materiais. Desse modo, a piscina continua contendo substâncias prejudiciais aos banhistas.

 

Ozônio

Por sua vez, o Ozônio se apresenta como um método de tratamento para água de piscinas bem mais eficiente, já que ele é um excelente oxidante e também funciona muito bem como germicida. Assim, ele combate todos os micro-organismos (bactérias, vírus, fungos, protozoários…) e as cloraminas presentes na água.
Além disso, como a ação desse produto não gera resíduos, pois ele se transforma em oxigênio posteriormente, a piscina fica realmente livre de todos os agentes que podem causar algum tipo de alergia, irritação ou ressecamento na pele e no cabelo das pessoas.
Dessa forma, é possível concluir que o Ozônio é mais eficaz, pois deixa a piscina efetivamente protegida contra qualquer substância potencialmente prejudicial à saúde dos banhistas.
A Q1 Ambiental tem excelência na fabricação de Ozônio para piscina. Acesse o nosso site ou curta a nossa página no Facebook e acompanhe todas as nossas novidades!